Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

SEQUESTRADA NA FRENTE DE CASA

Marcas no corpo indicam que Carla foi estuprada antes de ser assassinada

Delegado disse que não antecipará suspeitos ou hipóteses para não atrapalhar investigação
04/07/2020 15:14 - Fábio Oruê, Glaucea Vaccari


 

Sequestrada e assassinada, a estudante Carla Santana Magalhães, de 25 anos, pode ter sido estuprada antes de ser morta por golpes de faca no pescoço. De acordo com o delegado responsável pela investigação, Carlos Delano, vítima sofreu violência em partes do corpo que indicam que pode ter havido o estupro.

“Para a conclusão oficial teremos que esperar o laudo do médico legista, mas pode-se adiantar que foi hemorragia causada por golpes de instrumento perfuro contundente (faca) no pescoço”, disse o delegado sobre a causa da morte.

Carla foi sequestrada em frente da casa onde morava, no Tiradentes, no dia 30 de junho e encontrada morta na sexta-feira (3), em frente a uma mercearia a cerca de 40 metros da residência dela.

Segundo o delegado, análise do cadáver indica que, quando foi encontrado, a morte havia ocorrida há pelo menos 36 horas.  

“O que indica que [a morte] ocorreu na quarta-feira, ou madrugada ou durante o dia. Logo, pode ter ocorrido horas depois do rapto”, afirmou.

Ao ser encontrada, o pai da vítima, o mestre de obras Carlos Araújo Magalhães, 56 anos, chegou a dizer que o assassinato poderia ser em vingança para atingi-lo. Delegado informou que essa suspeita será investigada, mas que é uma das hipóteses menos prováveis.

Quanto a identificação de possíveis suspeitos e principal linha de investigação, Delano disse que não serão antecipadas informações para não comprometer o trabalho da polícia.  

“Neste momento não há nada que indique o envolvimento de familiares da vítima”, adiantou o titular da Delegacia de Homicídios.

O adeus da família à Carla aconteceu na manhã deste sábado (4), com velório na Pax Mundial e sepultamento no Cemitério Santo Amaro. 

 
 

O CASO

Carla foi sequestrada no portão de casa na terça-feira (30) e encontrada morta nesta sexta-feira (3). O corpo foi deixado na mesma via em que ela residia, na Rua Nova Tiradentes, Bairro Tiradentes, em Campo Grande.  

A mãe estava dentro de casa quando ouviu a filha gritar em frente à residência, Carla disse que estava sendo roubada e colocada em um carro. A jovem havia saído de casa para ir ao supermercado com uma amiga que reside nas imediações.

A mãe da vítima ainda saiu no portão, mas já não encontrou a filha e também não conseguiu ver o carro no qual ela teria sido colocada. O celular dela, um chaveiro, o café comprado no mercado e os chinelos ficaram no chão. 

Relatos indicam que a jovem manteve, no ano passado, um relacionamento com um homem de 56 anos que não aceitava o fim do namoro. Antes de morrer, Carla supostamente estava em um relacionamento com outro homem, de 50 anos, fotógrafo. O namorado anterior vinha tentando retomar a relação, o que a vítima não aceitava. 

 
 

Felpuda


Pré-candidatos que em outras eras cumpriram mandato e hoje sonham em voltar a ter uma cadeira para chamar de sua estão se esmerando em apresentar suas folhas de trabalho. O esforço é grande para mostrar os serviços prestados, mas estão se esquecendo que a cidade cresceu, os problemas aumentaram e aquilo que já foi tido como grande benefício hoje não passa da mais simples obrigação diante do progresso e das novas exigências legais. Assim sendo....