Clique aqui e acompanhe o resultado das Eleições 2020

URBANISMO

Segunda etapa do Reviva Campo Grande começa em outubro e vai custar R$ 70 milhões

Revitalização do quadrilátero central, no entorno da Rua 14 de Julho, será lançada até mês que vem
02/09/2020 09:00 - Eduardo Miranda


Os canteiros de obra na região central de Campo Grande devem ser reativados até o fim do ano. A elaboração do edital de licitação para a revitalização das vias localizadas no quadrilátero, compreendido entre as avenidas Mato Grosso, Calógeras, Fernando Corrêa da Costa e Rua Padre João Crippa, está em fase final e a expectativa é de que a obra seja orçada em R$ 70 milhões.  

A coordenadoria especial da Central de Projetos da prefeitura da Capital deve lançar o edital para a revitalização do restante do centro de Campo Grande até o início de outubro. 

“Estamos na fase de revisão de projetos para licitar”, explicou a coordenadora da central, Catiana Sabadin.  

Um outro projeto que implantará um corredor de transporte coletivo na Rua Rui Barbosa também será licitado neste mesmo período. 

A Central de Projetos, porém, ainda não tem um valor estimado para a implantação do corredor. No ano passado, a expectativa era de que esta obra ficasse em R$ 49 milhões, mas o valor passou por revisão.  

O Correio do Estado apurou que o período de campanha eleitoral não deve influenciar no lançamento dos editais e na contratação das empresas que executarão a obra. 

Trata-se de projetos já em execução, com recursos garantidos. 

O Reviva Centro teve início há uma década, mas as obras começaram, de fato, a sair do papel em 2018, com a revitalização da Rua 14 de Julho, que custou R$ 60 milhões e foi inaugurada em novembro de 2019.  

A obra da Rua 14 de Julho levou um ano e meio para ser concluída. Toda a via foi refeita, e a fiação rebaixada. A rua recebeu projetos de paisagismo e integrou-se ao conceito urbanístico de “via calma”.  

 
 

Detalhes

As que passarão por obra de requalificação no centro da cidade – Padre João Crippa, 13 de Maio, Calógeras, Mato Grosso, Antônio Maria Coelho, Maracaju, Dom Aquino, Barão do Rio Branco, 15 de Novembro, 7 de Setembro e 26 de Agosto – terão mobiliário urbano (semáforos, bancos, lixeiras, parte das calçadas e sinalização das vias) similar ao já instalado na Rua 14 de Julho.  

Os cabos telefônicos e de energia elétrica continuarão aéreos (em postes). 

Quanto ao asfalto, o projeto vai além de um mero recapeamento. O objetivo é requalificar as vias corrigindo problemas estruturais.  

Especificamente no caso da Rua Rui Barbosa, a obra será licitada à parte, porque sua estrutura será adequada à circulação dos ônibus. 

Também bancada pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), a obra vai manter o mesmo padrão iniciado pela Rua 14 de Julho.  

Habitação

Outros projetos que integram o programa Reviva Centro, como a construção de conjuntos habitacionais na região, devem demorar mais um pouco. 

A prefeitura da Capital aguarda uma definição sobre o novo programa federal para o setor, que substituirá o Minha Casa Minha Vida. 

 
 

Felpuda


Tropas de choque ligadas a alguns vereadores estão agitadas que só nas redes sociais na tentativa de desbancar a concorrência das “chefias” que querem porque querem. Querem a cadeira maior da Câmara Municipal de Campo Grande. A da presidência.

Segundo políticos mais antenados, trata-se do “segundo turno” das eleições do dia 15 de novembro, só que com apenas 29 eleitores.