Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

PANDEMIA

Anvisa autoriza que Pfizer dobre número de voluntários em testes para vacina

Ampliação no número de participantes, de 1.000 para 2.000, aumentará também diversidade da população envolvida; portadores de HIV e hepatite irã participar
18/09/2020 16:45 - Marcos Pierry


A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou nesta sexta-feira, 18, que o número de voluntários brasileiros participantes dos estudos para a vacina da Pfizer e da BioNTech contra a covid-19 seja dobrado. Com a permissão, o número de participantes passou de mil para 2 mil. 

A faixa etária dos voluntários também foi ampliada e, agora, os testes serão feitos em pessoas com mais de 16 anos.
A vacina BNT162 está sendo testada em São Paulo e na Bahia. Segundo a Anvisa, o laboratório recebeu, na semana passada, autorização para incluir um novo local de fabricação das doses que estão sendo usadas nos testes. 

A agência informou que a solicitação de ampliação de voluntários é um procedimento comum em testes clínicos.
"Graças ao empenho e dedicação dos centros de pesquisas participantes, a companhia decidiu expandir o número de participantes brasileiros no estudo em mais mil pessoas, totalizando assim 2 mil voluntários participantes", informou, em nota, a Pfizer.
 

O laboratório informou que vai expandir o número de participantes do estudo para a vacina, chegando a cerca de 44 mil participantes, e disse que já fez a solicitação para a Food and Drugs Administration (FDA), agência norte-americana responsável pela regulação de medicamentos e alimentos.
 

"A expansão da proposta permitirá aumentar ainda mais a diversidade da população participante e incluir adolescentes de até 16 anos de idade e pessoas com HIV estável e crônico, hepatite C ou infecção por hepatite B, bem como fornecer mais dados de segurança e eficácia."

Vacina de Oxford

Nesta semana, a agência autorizou a inclusão de mais 5 mil voluntários brasileiros nos estudos da vacina contra a covid-19 desenvolvida pela Universidade de Oxford em parceria com a farmacêutica AstraZeneca. Com a autorização, o número de participantes também dobrou. A solicitação foi feita pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), que coordena os estudos no Brasil.

 
 

Felpuda


Mesmo sem ter, até onde se sabe, combinado com o eleitor, candidato a prefeito começou a apresentar nomes do seu ainda hipotético secretariado, pois parece estar convicto de que conseguirá vencer a disputa.

Os adversários dizem por aí que ele está muito distante de “ser um Jair Bolsonaro”, que, ainda na campanha eleitoral para presidente da República, já falava em Paulo Guedes para ser seu ministro de Economia. Como sonhar é permitido