Clique aqui e veja as últimas notícias!

CAMPO GRANDE

Casa da Mulher Brasileira começará a realizar exame de corpo de delito em 2021

Atualmente os exames são feitos no IMOL, demanda atenderá mulheres vítimas de violência doméstica
14/01/2021 13:03 - Gabrielle Tavares


Casa da Mulher Brasileira vai começar a realizar exames de corpo de delito na própria instituição. Dessa forma, as vítimas não precisarão ir ao Instituto de Medicina e Odontologia Legal (IMOL) e poderão fazer o exame no mesmo local onde fizeram a denúncia.

A expectativa é que a medida seja implementada ainda este ano em parceria com o Governo do Estado. Atualmente, a Casa possui uma Central de Transportes que encaminha as vítimas para a perícia. 

"Porém, concluímos que se esse atendimento for prestado na CMB, a vítima terá acesso à realização do exame de forma mais rápida e efetiva, já que ele é fundamental para o inquérito policial e a instrução processual”, explicou a superintendente da Casa da Mulher Brasileira, Tai Loschi.

Últimas notícias

Loschi lembrou ainda que o número de feminicídios aumentaram expressivamente em 2020 em Campo Grande e no mundo.

“Sabemos que a pandemia potencializou os crimes contra as mulheres, porém, ainda não sabemos como. Por isso, fazemos um alerta às mulheres para buscarem ajuda antes que seja tarde demais. Aqui em Campo Grande a Casa da Mulher Brasileira oferece diversos serviços essenciais às mulheres vítimas de violência”, reforçou a superintendente.

Inaugurada em 2015 na Capital, a CMB engloba diversos serviços, incluindo apoio psicossocial, Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (DEAM), Juizado da 3ª Vara, Promotoria, Defensoria Pública, Serviço de Promoção de Autonomia Econômica.

Além de brinquedoteca, Alojamento de Passagem, Central de Transportes, Patrulha Maria da Penha, Programa Mulher Segura do Estado (PROMUSE) e Serviço Psicossocial Continuado (CONTE).

Dobra o número de mulheres assassinadas em Campo Grande

O número de mulheres assassinadas em Campo Grande por conta do gênero mais que dobrou em 2020.

De acordo com dados da Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp), de janeiro até a primeira semana de dezembro do ano passado, a Capital teve 11 crimes de feminicídio, enquanto em 2019, durante todo o ano, foram 5 casos.

Para a delegada Fernanda Félix, da Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (Deam), o aumento dos casos pode estar relacionado à pandemia do novo coronavírus, quando as mulheres que sofrem violência doméstica ficaram mais vulneráveis em razão do isolamento social.

“O fim do ciclo [de violência] é o feminicídio, o qual é plenamente evitável, desde que se busque ajuda”, afirma a delegada.

Formas de denunciar violência doméstica em Mato Grosso do Sul

O Governo Federal lançou ano passado o programa Ligue 180, além de receber denúncias de violações contra as mulheres, a central encaminha o conteúdo dos relatos aos órgãos competentes e monitora o andamento dos processos.

Também é possível realizar denúncias de violência contra a mulher pelo aplicativo Direitos Humanos Brasil e na página da Ouvidoria Nacional de Diretos Humanos (ONDH). No site está disponível o atendimento por chat e com acessibilidade para a Língua Brasileira de Sinais (Libras).

Também é possível receber atendimento pelo Telegram. Basta acessar o aplicativo, digitar na busca “DireitosHumanosBrasil” e mandar mensagem para a equipe da Central de Atendimento à Mulher – Ligue 180.

A Subsecretaria de Políticas Públicas para Mulheres também lançou o site Não Se Cale, com notícias, textos e informações sobre as diversas formas de violência contra a mulher, divulgando as políticas públicas existentes e os órgãos da rede estadual de atendimento em todos os municípios.

A Polícia Civil de Campo Grande também criou uma ferramenta on-line para que as mulheres denunciem crimes envolvendo violência de gênero e pode ser acessada aqui.

As Delegacias Especializadas da Mulher em todo o Estado mantêm o atendimento normal para as vítimas em suas unidades. Todas as denúncias podem ser feitas via 190 ou diretamente na Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (DEAM).

Assine o Correio do Estado