Clique aqui e veja as últimas notícias!

PERIGOSO

Justiça determina transferência do Bonitão do PCC para um presídio federal

Ele é apontado como líder da facção criminosa, influente na fronteira entre Brasil e Paraguai
13/01/2021 15:35 - Glaucea Vaccari


A Justiça Federal de Ponta Porã determinou a transferência emergencial de Giovanni Barbosa da Silva, conhecido como Bonitão do PCC, para uma penitenciária federal.

O criminoso é considerado um dos líderes da facção criminosa e foi preso no dia 9 de janeiro, em Pedro Juan Caballero, e extraditado para o Brasil no dia 10.

Últimas notícias

Após a prisão, enquanto ainda estava no Paraguai, grupo de criminosos armados com fuzis atacou a sede da polícia paraguaia, na tentativa de resgatar o líder.

Duas pessoas foram presas após o ataque, que durou cerca de meia hora, e o Bonitão foi entregue no dia seguinte, na cidade de Foz do Iguaçu (PR).

A decisão de transferência para o sistema penitenciário federal atende pedido do Ministério Público Federal, que se baseou na importância de Giovanni entre os membros do PCC e no histórico de tentativas de resgate dos líderes da facção.

O local de custódia do criminoso é mantido sob sigilo, por questões de segurança.

O envolvimento dele em crimes de organização criminosa e tráfico internacional de drogas e de armas foi comprovado em inquérito policial que derivou da Operação Exílio, deflagrada em junho do ano passado para o cumprimento de nove mandados de busca e apreensão em Ponta Porã e um em São Bernardo do Campo (SP).

Investigações também apontaram que ele exercia o papel de uma das lideranças mais influentes do PCC na fronteira do Brasil com o Paraguai.

Confronto

Após a prisão do Bonitão do PCC e ataque a polícia paraguaia, policiais de Mato Grosso do Sul receberam denúncias de que criminosos, que estariam envolvidos na tentativa de resgate, se reunião na região do bairro Julia Cardinal, em Ponta Porã.

Equipes faziam rondas nas proximidades e notou intensa movimentação de pessoas armadas em uma casa.  

De acordo com a polícia, as equipes realizaram entrada tática no local e foram recebidos a tiros.

Houve confronto e seis integrantes do PCC foram baleados no local, enquanto outros dois conseguiram fugir, mas foram perseguidos e também baleados posteriormente.

Os feridos foram socorridos pelas próprias equipes e encaminhados para o Hospital Regional de Ponta Porã, mas todos morreram.

Na casa onde houve o confronto, foi apreendido um arsenal, com dois fuzis, duas pistolas glock 9mm e dois revólveres calibre 38, além de dois veículos roubados.

Governador Reinaldo Azambuja (PSDB) afirmou que o desejo era que todos estivessem atrás das grades, mas elogiou a ação das forças de segurança

"Bandido tem que ser tratado com rigor e tolerância zero. As nossas forças policiais estão de parabéns. Nossos policiais têm agido com coragem e eficiência”, disse o governador.